segunda-feira, 14 de abril de 2008

sabores alinhados

Sabores alinhados

Caras, olhos e lábios pintados

Correrias de outros lados

Abraços perdidos, carinhos abafados

Não quero estar só

Não quero só estar

Caminho no meu caminho

Caminhas no teu caminho

Teu caminho é teu caminho

Um caminho é um caminho

Um caminho a dois é apenas um entre caminhos


Há dias sem lua

e há dias com lua

há noites com lua

e há noites sem lua

mas o sol

nasce todas as manhas

e é para todos


O que existe para mim

existe para ti


Somos todos um só


Coronado, Trofa, Março2008, poema de Enlaçador Eléctrico


Um comentário:

  1. (Des)Alinhamos tantas
    e quantas as vezes
    Que O céu parece trocar de lugar com o mar
    Imagina-se uma estação de infinitos meses
    Em que no Inverno, o negro dos céus
    parece reinar
    Mas a primavera mesmo ali ao lado
    Encostada ao céu, a bocejar
    Ri-se do caminho traçado
    Do tempo (quase) perdido, emancipado, por pouco, desalinhado
    Mas sempre ali, no mesmo Lugar!
    =)

    ResponderExcluir