segunda-feira, 20 de julho de 2009

temos sempre tempo

temos sempre tempo

o tempo
um tempo
com tempo
se é tempo

tempo que não tem conta

o momento
é o momento
só o momento
escreve o agora


Coronado, Abril2009,poema de Enlaçador Eléctrico

domingo, 15 de março de 2009

parecíamos pássaros voando

sentimento que resiste
nao é livre de gostar,
não é livre de amar.

se eu agora
me sinto triste
sempre sei que posso caminhar,

e de repente,
já não sinto mais tristeza em mim
observando as cores do céu e do mar.

mas é tão cedo ainda,
e tu precisas saber o que se passa
aí dentro no teu coração

e na razão
que te permite agir
sem medos e fronteiras para tua vida inteira.

chegou a hora de saber
sobre e quem realmente és,
aí dentro no teu coração,

o que queres,
o que sonhas para esta vida,
já definida antes de saberes quem és.

eu fui embora mas voltei
para sentir a viva magia
do teu coração.

tão leves e brilhantes,
parecíamos pássaros voando
livres.


Porto, Março2009, poema de Enlaçador Eléctrico

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

um soneto na brasileira


um mar entrou na minha toca
e não recusei a sua vontade,
mergulhei na onda da oportunidade
e deixei-me flutuar como maderia oca.

os meus olhos vão ao encontro dos teus,
não foges e eu não fujo, espero o reflexo,
um sorriso que abraça forte o coraçao perplexo
aguardando que as tempestades caiam dos céus.

assim como gira a roda do tempo mesurável,
assim como as ondas rebentam na areia,
meu coração aberto aguarda que fiques estável.

e a segunda vez não é como a primeira
e a oportunidade de amar as cores do céu
é sempre distinta, diferente... mas verdadeira.


Porto, Janeiro 2009, poema de Enlaçador Eléctrico

tenho tempo e um coração aberto



ainda é cedo

e nem tudo dá para ser explicado.

não estou preocupado,

nem tenho medo.

tenho tempo e um coração aberto.



Porto, Janeiro2009, poema de Enlaçador Eléctrico

domingo, 11 de janeiro de 2009

o presente é agora

O futuro é agora.

Esquece o passado,

o presente que se foi.


O presente é agora.

Agora é.

Já é.


Existem atracções nas janelas

que ainda não são compreendidas.

Quais brisas luminosas deixaram de se sentir exploradas?


Celestes corpos de redenções vividas

obrigam-me a recapitular os sabores,

gostos e sons de todas as orquídeas penetradas.


As apaixonadas batidas cardíacas

ficaram esquecidamente dormentes,

e organizam-se agora rejuvenescidas depois de serem magoadas.


Nascem pétalas das respirações profundas,

os gritos surdos por amores bailando de mãos dadas

em ritmos bravos cantados em varias vozes e tonalidades.


Vejo por entre todas as danças não dançadas

como ficaremos indiferentes ao passado,

essas danças que criam corpos soltos entre momentos, bailando.


E os que vão bailando escondidos entre muralhas?

Em compassos serenos e ajustados, quase lentos?

Quais cantigas e melodias que não serão sentidas?


Serão as filhas da cumplicidade corporal em doces e pausados movimentos?

E as cantigas que entre nós não serão cantadas?

Ah, essas são filhas bravas e espinhosas de ardentes e silvados sentimentos.


O futuro é agora.

Esquece o passado,

o presente que se foi.


O presente é agora.

Agora é.

Já é.



Coronado, Trofa, Novembro 2008, poema de Enlaçador Eléctrico


segunda-feira, 10 de novembro de 2008

ontem é hoje no fogo do amanhã!

Ontem é hoje no fogo do amanhã!

Com intensidade viciosa ardia!

Falando tudo, disse o que queria.

E o fogo disse o que escutei:


- não há medo que não fale uma verdade,

a quem escuta, que entre e que venha,

faça seu, o serviço da mágica lenha,

pois são os frutos da Vontade.


Compreende a questão da minha função:

estou aqui para ti quanto tu para mim

e sei que aqueço o teu coração!


Assim, crio um sonho unificador:

se desfocalizar o teu ponto sem fim

observarás a combustão infinita do amor!


Gourim, Serra Arada, Maio2008, poema de Enlaçador Eléctrico

que se lhe abrem bem os olhos

Sobe o monte em seu pé de rapazinho,

que cansado de viver a confusão escolheu viver a serra sozinho.

Então pôde observar bem lá de cima, do ponto mais alto,

quando o milagre da Mãe chegou de sobressalto:


Duas águias doiradas beijavam dois pretos corvos!

e o rapazinho, que se lhe abrem bem os olhos,

com a tamanha ascensão da virgem virtude,

libertou a sua alma e deixou a subir em altitude.


Subiu ao céu por uma escada,

tal como a alta e profunda serra,

uma escada dourada e vertical.


No seu alto, encontrou a Mãe que rezava;

pela saúde da terra,

e pelo amor universal.


Gourim, Serra Arada, Maio2008, poema de Enlaçador Eléctrico


o mistério de estar contigo

Passo horas sem falar

porque creio sempre ouvir.

Minha fé balança com o som bruto da outra margem.


Vejo o pássaro surgir constantemente com outro som.

Pois o que agora experimentei intensamente

criou-se no presente.


Dualidade.

O mistério de estar contigo.

Perdoar é a libertação da minha alma.


Sou poesia do sentimento,

sinto tudo o que vivo e que experimento,

assim rezo ao ar em movimento.



Idanha-a-Nova, Julho2008, poema de Enlaçador Eléctrico

segunda-feira, 14 de abril de 2008

do eixo dos mundos ergo uma linha

Do eixo dos mundos ergo uma linha

que me eleva até ao céu

e deixo me lá ficar por alguns segundos

a observar as pendentes emanações da vida

dos olhos verdejantes das florestas

compreendo a linguagem que falam

espíritos da terra e da natureza

são como os rios que correm

fluindo na certeza

de que o homem pertence à terra

e a terra não pertence ao homem


Trinta, Guarda, Fevereiro 2008, poema de Enlaçador Eléctrico


sabores alinhados

Sabores alinhados

Caras, olhos e lábios pintados

Correrias de outros lados

Abraços perdidos, carinhos abafados

Não quero estar só

Não quero só estar

Caminho no meu caminho

Caminhas no teu caminho

Teu caminho é teu caminho

Um caminho é um caminho

Um caminho a dois é apenas um entre caminhos


Há dias sem lua

e há dias com lua

há noites com lua

e há noites sem lua

mas o sol

nasce todas as manhas

e é para todos


O que existe para mim

existe para ti


Somos todos um só


Coronado, Trofa, Março2008, poema de Enlaçador Eléctrico


criamos os momentos e os sentimentos

Criamos os momentos e os sentimentos
Sempre criamos o que queremos
Alertas
Despertos
Pacientes na mente

Sonhos vivos dormentes
Quem é o presente?
Seja o guia da fonte
Ou seja o que seja sem nome
Ou Palavra somente

Vento que é
Querer projectar
No fogo sagrado o espírito guerreiro
Em redor do caminho
Visões e sonhos por inteiro

O dia que aconteceu
A noite que se recolheu
Oferecemos sem pedir em troca
Energia da vida
Sinceridade em boa hora



Vila Soeiro, Guarda, Março2008, poema de Enlaçador Eléctrico

sábado, 5 de janeiro de 2008

sobem as bolhas da igualdade

na clareira do incenso,

vejo que sobem as bolhas da igualdade,

não me sinto totalmente preso,

nem me sinto em total liberdade.


na frente estão dois moldes apaixonantes

que se abrem em luz e energia,

como que dois fogos vibrantes

enlaçados entre os pólos da magia.


na língua de água que a Mãe lhes deu

dizem saber o que necessito do passado

gestos de quem quer realizar a paz que lhes prometeu.


ao sentir tamanha essência, desperto do sonho vidente,

terra, ar, fogo e agua,

elementos puros da natureza que em mim está presente.



Gourim,Serra da Arada,Outubro2007,poema de Enlaçador Eléctrico

é sempre, e sempre está agora

a Mãe alimenta as suas raízes
que permanecerão a crescer no tempo,
fruto da sua imensa vontade,
na hora do desafio da verdade
ou na hora do exercício da realidade,
no tempo assertivo ou em tempo de saudade,
que resvala em embaraço refluxo,
sincero, um abraço.

a ti, musa sinergética,irmã,
que ao som da vida vai bailando,
pula ela entre as mil linhas,
pula ela entre os mil traços,
estás rodeada por fantasmas,
fortalezas desnecessárias,
obras de arte atrasadas,
poemas não escritos e pinturas não pintadas.

uma historia que se não repete,
um acreditar, que se não mente
vive
na aurora e no crepúsculo absorvidos,
em sentimentos aprisionados,
atitudes infantis e sinceros embaraços,
borboletas em voos de águia rastejante
em passo lesto, frio, sufocante,
o desejo,enfim, escrito em mil linhas de mil traços.

nada mais desejaria
que não fosse dar um simples passo,
fazer uma historia para ti,
fazer uma historia sobre um pássaro,
que vive na libertação do que é real
e que acredita no que esta a fazer.
agora pois, só depende de ti,
da descida do espírito e do teu momento para a viver.

eu nasci com o vento colado no corpo,
sopra vento,
vento que sopra,
trás contigo a paz e o teu conforto,
sopra vento,
vento que sopra,
trás contigo o teu riso e teu o choro,
sopra vento,
vento que sopra,
trás o alimento à terra e ao coração dos homens livres,
sopra vento,
vento que sopra,
és minha Mãe, meu Pai, minha irmã, meu irmão.

Ora que trova,
hora que chove,
é sempre,
e sempre está agora.


Coronado,Trofa,Janeiro2008,poema de Enlaçador Eléctrico